Skip to main content

[Entrevistas] - Paula Santos

Biografia integrada no Livro

“Nasceu em Lisboa a uma 3ª feira às 21h15, mais precisamente no dia 4 de Outubro de 1977. Estudou e residiu no Barreiro e atualmente reside na freguesia vizinha da Baixa da Banheira.
Um dos seus sonhos, para além de um dia saltar de paraquedas, é ver esses dois sítios do seu coração, livres da “gasaria” (palavra inventada pelos Barreirenses) e dos buracos no passeio.
Já conheceu alguns países desta aldeia global a que chamamos Terra e um dia, quando for muito rica, espera poder conhecer a Lua e mais alguns Planetas que lhe dê na real gana.
Atualmente, trabalha como administrativa e tem um marido com uma paciência de santo, uma gata chamada soneca que faz jus ao nome e um blogue todo XPTO – Marshmallows & Lilypad – http://marshmallowandlilypad.blogspot.com.
E pronto. É isto.”

Um Muito Obrigada à Paula! Adorei a sua jovialidade e boa disposição!!
Entrevista conduzida por Ivonne.

Entrevista

Paula, eu tentei encontrar mais informações sobre si, mas apenas encontrei as que se encontram dentro do livro. Pode falar-nos mais sobre si?

Olá. O meu nome é Paula Santos e sou uma docólica anónima. Bem, anónima é como quem diz, porque quem me conhece sabe que se me puserem um pastel de nata à frente (com canela, atenção) ganham uma amiga para a vida! Brincadeiras à parte, sou uma pessoa simples, que gosta de coisas simples e que leva um dia de cada vez. E que está a aprender a dar importância ao que realmente importa e a deixar as coisinhas mesquinhas do dia-a-dia passarem ao lado!

A ideia contida no romance, em que uma maquilhadora e um actor famoso se apaixonam assemelha-se a um conto de fadas moderno (e português), tendo como pano de fundo as ruas de Lisboa, Sintra e Algarve. Como surgiu a inspiração para Eu+tu=1?

Ui... Deixem-me pensar que isso já foi há uns anitos valentes... Desde miúda que adoro ler e escrever e by Text-Enhance">imaginação, graças a Deus, é coisa que não me falta. Às vezes até é demais, mas enfim...cof, cof... Lembro-me de ser criança e já adolescente e devorar livros dos Cinco, das Gémeas, d'Uma Aventura, de Eça de Queirós, de quadradinhos, sei lá. Tudo o que me vinha parar às mãos era lido com prazer. E ainda o é! Há alguns anos, comecei a escrever um conto para um concurso literário, que se foi desenvolvendo e se transformou no Eu+tu=1. O facto de ser uma maquilhadora e um actor não foi propositado. Creio que surgiu naturalmente e quanto aos locais, já conhecia alguns e os outros conheci by Text-Enhance">através de pesquisa e de fotografias e incorporei-os no livro.

Como surgiu a oportunidade de ver editado o seu romance?

Quando acabei de escrever o livro, pesquisei na internet várias editoras portuguesas e enviei email's a perguntar se poderia e como poderia fazer chegar-lhes o meu manuscrito. Diga-se de passagem, que nem todas responderam... Finalmente, enviei o livro em papel para algumas, em ficheiro para outras e fiquei à espera. E esperei e esperei e esperei (é preciso ter paciência). Ao fim de alguns meses começaram a chegar cartas e email's e infelizmente, todos com by Text-Enhance">respostas negativas. Sei que quando já não contava com a publicação do livro, tentei num último esforço procurar mais editoras que porventura me tivessem escapado. Entre elas estava a Alfarroba. Tornei a contactar, tornei a enviar e num belo Sábado de manhã, o Nuno (o meu marido, não o Nuno Almeida) abriu o email e lá estava um convite da Alfarroba (beijinho, Andreia!) para me reunir com eles e discutir a hipótese de publicação do livro. O que me valeu um grande sorriso na cara e um grito de alegria em cheio no ouvido do Nuno (novamente, o meu marido)...

O seu marido chama-se Nuno. Atribuir o seu nome à personagem masculina principal foi uma homenagem? Que papel teve o seu marido desde o início de Eu+tu=1 até à sua publicação?

Foi uma homenagem sim, porque foi a pessoa que sempre me apoiou e incentivou a continuar, mesmo quando outras pensavam que isto era um capricho e que nunca iria ser publicado. Além disso, não me posso esquecer de certas amigas que tiveram uma paciência de santas e leram e releram o manuscrito antes de eu o enviar para as editoras. E não me bateram no processo!

O seu blogue “Marshmallow, Lilypad, a cat and wait for it...”, cujo nome é baseado na sua série favorita “How I met your mother” já fez um ano no principio do mês. Fale-nos um bocadinho sobre este espaço e as vantagens que lhe tem proporcionado esta plataforma.

Gosto muito do meu “Marshmallow, Lilypad, a cat and wait for it...” e creio que hoje em dia, seria impensável deixar de o ter. Através dele conheci pessoas que se calhar de outra forma nunca iria conhecer, descobri outros mundos e opiniões e alarguei os meus horizontes. Posso dizer por exemplo, que desde que tenho blogue (este não é o 1º), ansiei por respostas de portugueses, chorei com pessoas que estavam a passar por maus momentos nos EUA e ri com momentos felizes de alguém no Brasil. Creio que um blogue é uma chave para abrir uma porta da sala que se chama mundo (uau, agora fui poética, não fui?)!

Pode falar-nos sobre alguns dos seus outros hobbies e inspirações para além do blogue?

Gosto muito de ler, ir ao cinema, estar em casa com o marido e a gata (que também pertence à família), ver outros blogues e certos programas que tento não perder. Quanto a inspirações, acho que as tenho no dia-a-dia com situações que vejo ou pelas quais passo.

Este ano compareceu na Feira do Livro de Lisboa, “como escritora”, como refere no facebook. Pode falar-nos sobre esse acontecimento?

Estiveeeeeee!!! E que orgulho que foi estar do “lado de cá” dos livros! A 1ª pessoa que comprou o meu livro foi uma adolescente que gostou dele por causa da capa. Depois leu a sinopse e disse para o pai: - quero este! Assim, sem dúvidas. E quando mo deu para assinar, só não derramei uma lágrima ali na hora porque ainda iam achar que eu era uma lamechas, dar-me palmadinhas nas costas e dizer: - pronto, pronto. Vá, não custa nada. É só colocar a caneta no papel e deixar deslizar...

É administrativa. Podemos deduzir, então, que por motivos profissionais, utiliza muito o computador? Por essa razão, opta por escrever no papel e passar depois a computador? Teve ou tem alguma rotina para escrever?

Em criança costumava escrever tudo a lápis. Lembro-me que quando tinha uns 10, 12 anos, escrevi um livro de aventuras do género dos da Enid Blyton (uma das minhas escritoras preferidas até hoje) e já ia nas 80 e tal páginas quando me passou uma coisinha má pela cabeça e o destruí. Enfim... Mas actualmente escrevo tudo a computador. É muito mais prático! Quando escrevo prefiro estar sozinha e em silêncio. Desligo a televisão, rádio, tudo. Consigo escrever e concentrar-me melhor assim.

Em breve, poderemos contar com mais trabalhos seus publicados?

Já comecei a escrever outro livro. O género é o mesmo; comédia romântica e espero que também arranque algumas gargalhadas a quem o leia. A mim já arrancou algumas!

Para terminar, quer deixar uma mensagem especial para os leitores e aspirantes a escritores?

Ai, os discursos... A mensagem que quero deixar é que não desistam. Se têm a certeza que o vosso trabalho é bom e o vosso sonho é serem escritores, cantores, actores, tocadores de pífaro ou o que quer que seja nunca deixem de o enviar a quem de direito e lutar por aquilo que desejam. Só tenho pena que em Portugal ainda não se aposte muito em autores novos e/ou desconhecidos. Mas tenho esperança que isso mude. Afinal, se ninguém tivesse apostado um dia na J. K. Rowling hoje não tínhamos o Harry Potter, não é?

Comments

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?