Skip to main content

[Entrevistas] - Tara Moore


Deixo aqui o post que inicialmente coloquei no blogue Os Livros Nossos.
Nota
Deixo aqui o meu sincero agradecimento à Autora. Só li Solstício de Verão, mas tornei-me uma fã entusiástica, principalmente, quando recebi uma resposta tão positiva e fresca! Apreciei muito a simpatia e disponibilidade de Tara Moore. Sem dúvida, é uma inspiração para mim. E a foto disponibilizada pela autora… Gostei muito, obrigada, Tara! Vocês não?
Aqui está a opinião (Ainda não foi traduzida em inglês).
Espero que gostem da entrevista, tanto como eu.
Primeiro, coloquei a tradução em Português seguida pela Versão Original.

Note
I leave here my sincere gratitude to the author. I only read RVSP but I became an enthusiastic fan, mostly when I received such a positive and fresh response! I really enjoyed the sympathy and availability of Tara Moore. No doubt, she is an inspiration for me. And the photo provided by the author… I like it very much, thank you, Tara! Don’t you?
The review is here (It wasn't translated into English yet).
I hope you enjoy the interview as much as I do.
First, I put the translation into Portuguese followed by the Original Version.

Entrevista conduzida por Ivonne Zuzarte

Official Website - Tara Moore

ENTREVISTA

Breve Introdução

Até agora, só li Solstício de Verão e escrevi a opinião no blogue. Assim que vi a sinopse, gostei muito e comparei-a com um “cocktail” de géneros porque a história tem mistério, um pouco de comédia com diálogos engraçados, romance (e, outros, claro, que não quero contar porque quero que seja uma surpresa para os futuros leitores. Estes aspectos são os mais importantes.).

Pode fazer um balanço sobre este romance (sobre a inspiração para escrevê-lo, o que gostou mais ao escrevê-lo, como foi publicado…)?

RSVP foi inspirado pela chegada de uma personagem, Coppelia, na minha cabeça que simplesmente se recusou a ir embora até que eu tivesse escrito sobre ela. O resto das personagens apareceu daí e, até certo ponto, escreveu a sua própria história. Eu sou uma escritora um pouco orgânica. Nunca planeei um romance na sua totalidade. Muitas vezes, vou simplesmente começar com uma ideia ou, como neste caso, uma personagem e o romance parece construir-se a partir daí. Não gosto de planear firmemente as linhas de enredo. Acho deveras interessante deixar os personagens sem direcção e ver onde eles me levam. Neste caso, encontrei-me a ir em todo o tipo de direcções estranhamente maravilhosas. É uma estratégia que funciona para mim e, espero, para os meus leitores também.

Quando vi o título Português (Summer Solstice, em tradução literal inglesa), fiquei curiosa sobre o título original e pesquisei na internet. Escrevi, na minha opinião, o que eu pensei sobre isso. Para aqueles que não conhecem as suas histórias, como escolhe o título dos seus livros (este, especialmente)?

Às vezes, um livro pode surgir por causa de um título que ficou escondido na minha cabeça, muitas vezes, por anos. RSVP, claro, é francês - repondez s'il vous plait - que significa "responder" a um convite formal de algum tipo. Como um convite para uma festa de noivado é o catalisador para os eventos que se desenrolam no RSVP, parecia um título adequado. O meu livro posterior, Blue-Eyed Girl, acaba de ser publicado e, mais uma vez, o título é a chave para o livro e o enredo que se desenrola. Ou, talvez, eu deveria dizer plural, linhas de enredo, como há sempre um número de subparcelas nos meus livros.

RSVP só foi publicado em Junho de 2012 em Portugal, mas já havia sido lançado em 2010. Já recebeu muitos feedbacks dos seus leitores sobre os seus livros (este, em particular)?

Sim, é verdade, e a grande maioria dos feedbacks tem sido muito positiva, o que é sempre agradável de ouvir. Também foi amplamente caracterizado e revisto na comunicação social. Penso que, no início, as pessoas achavam que poderia ser apenas mais um livro 'chick-lit', mas ficaram extremamente - e a maior parte - agradavelmente surpreendidos ao descobrir que não são só corações e rosas, mas um pacote de murros reais. Um casal de personagens em particular, Safira e Indigo [casal de gémeos, netos de Honoria Granville], pareceu inflamar o debate - um caso de amor ou ódio. Como escritora, até prefiro que os meus livros causem impacto de algum tipo, em vez de tê-los agradáveis e totalmente esquecíveis. Acredito que RSVP é um daqueles livros que as pessoas continuarão a lembrar-se por um motivo ou por outro.

Vive em Inglaterra, mas passou a sua infância no Médio Oriente. Esta história acontece em muitos lugares de todo o mundo (eu não quero revelar muito, mas um deles é a Tailândia). Como escolhe os lugares das suas histórias?

Há um grande mundo lá fora, uma miscelânea de culturas e costumes. É uma vergonha limitar-me apenas um pequeno canto. No caso da Tailândia e do carácter de Priti [um dos interesses românticos do noivo], foi culturalmente correcto e deu-me a oportunidade de jogar com a descrição daquele bonito país e, espero eu, despertar a curiosidade dos meus leitores e, até mesmo, incentivá-los a visitá-lo por si mesmos. O meu livro recém-publicado, Blue-Eyed Girl [Tradução literal portuguesa, “A Rapariga de Olhos Azuis”, ainda não foi publicado em Portugal], é definido principalmente na Irlanda, mas também, Austrália, Dubai e Argentina.

Pelo que eu li, só RSVP foi publicado em Portugal e li muitas opiniões positivas sobre ele (inclusive a minha). Pode dizer-nos sobre o que está a trabalhar agora?

Antes de RSVP, eu tinha três outros romances publicados Seducing Adam, Poodles At Dawn and Sunshine & Shadows. Estes foram publicados por editoras irlandesas que detiveram todos os direitos e não publicaram no exterior. Esses direitos, estou muito feliz por dizer, já retornaram para mim e vou publicá-los a todos no Kindle durante o próximo ano. Talvez, também os terei em Português! Espero também que Blue-Eyed Girl seja publicado em Portugal no ano seguinte. Vai depender muito das vendas de RSVP. Por isso, vamos lá Portugal, vão atrás de RSVP e deixem as editoras saberem que gostariam que também publicassem Blue-Eyed Girl!

Sobre a sua rotina de escrita, tem uma? Pode falar-nos sobre isso?

Adoraria dizer que me levanto às sete da manhã e escrevo até às seis da tarde, mas simplesmente não é o caso. Alguns dias, poderia de facto, escrever durante esse período de tempo e até mais. Tenho sido conhecida por levantar-me nas primeiras horas da madrugada e escrever enquanto a “musa” está comigo. Em outras ocasiões, posso escrever apenas por um breve período de tempo ou, às vezes, não o faço, de todo. Não acredito que seja produtivo sentar-me à frente de um monitor em branco e esperar que as palavras venham. É melhor, então, levantar-me e ir dar um passeio ou algo mais. Na minha experiência, isso é o que diminui a pressão, o que originará uma mente relaxada e a inspiração surge a partir daí.

Tara, você é mãe, esposa e escritora. Como consegue conjugar todos esses aspectos da sua vida e, ainda assim, ter tempo para as obrigações diárias?

Tudo o que posso dizer é que os escritores escrevem! É tão simples quanto isso. Tal como preciso de respirar e comer, eu também preciso de escrever. É, digo eu, o meu gene de escritor. Eu escrevi o meu primeiro livro enquanto trabalhava em tempo inteiro, criava dois filhos, um com uma condição médica grave (Hemofilia), e lidava com um marido alcoólico. Um dos meus ódios de estimação é quando as pessoas vêm até mim e dizem, “Eu também escreveria um livro, se eu tivesse tempo". Um escritor encontra tempo, quaisquer que sejam as pressões. Isso não nos torna santos. Isso simplesmente torna-nos escritores.
Pelo que tenho lido, o seu marido parece ser "o amor de sua vida", por isso ele é muito importante para si. Que papel tem o seu marido na sua vida como escritora?

David é o meu segundo marido - Eu brinco ao dizer que o comprei na internet por cerca de £ 5,00 e que foi o melhor negócio que já fiz. Esta é a forma como isso aconteceu. Eu estava a ir de Londres para outra parte do Reino Unido, uma pequena cidade costeira chamada Ramsgate. Todos os meus amigos estavam muito preocupados porque eu não conhecia ninguém lá e eles também sabiam que, depois do meu primeiro casamento, eu não tinha intenção de jamais voltar a envolver-me com um homem! No entanto, eles incomodavam-me e incomodavam-me e, eventualmente, para "calá-los", eu concordei em deixá-los que me colocassem na internet. David foi um dos homens que respondeu e o único com o qual eu concordei em encontrar-me. O resto é história. Por isso, eu comprei a minha alma gémea por $ 5,00. Bom, não é?!
A propósito, ele sabia tanto sobre Jane Austen como eu, que é quando eu penso que realmente me apaixonei por ele. Ele é o meu maior suporte, sempre amável, nunca julga, sempre lá! Sim, sem vergonha, digo ao mundo que eu amo-o com todo o meu coração. Estamos juntos há sete anos e simplesmente fica cada vez melhor.

Disse, uma vez, que sempre quis visitar Portugal. O que gostaria de visitar neste país?

Eu não posso dizer-vos por que razão exactamente sempre quis visitar Portugal - é mais uma coisa instintiva. O povo Português lembra-me do meu próprio povo, o Irlandês, em que eles são muito acolhedores e hospitaleiros e têm uma grande cultura e história. Na verdade, eu gostaria de explorar todo o país de lado a lado e de ponta a ponta. Eu sei que o meu marido, que é uma espécie de historiador militar, gostaria muito de visitar os campos de batalha da Segunda Guerra Mundial. Estamos seriamente a pensar em alugar um sítio em Portugal no próximo ano, por vários meses, onde eu possa terminar o meu próximo livro e encontrar inspiração para outro.

Gostaria de deixar uma mensagem especial para os seus leitores portugueses e aspirantes a escritores?

Sim. Eu não consigo dizer-vos o quão estou satisfeita por o meu livro ter sido traduzido em Português. A capa é, de longe, a minha versão favorita. Espero que gostem realmente e que Blue-Eyed Girl também seja publicado no vosso país.
Para quaisquer aspirantes a escritores, eu diria, sonhem em grande. É muito fácil perderem o coração e ficarem desanimados se os vossos trabalhos forem rejeitados, mas lembrem-se, há centenas de novos livros de novos escritores que estão a ser publicados a cada ano e, supondo que vocês têm feito o vosso melhor, o vosso pode ser um deles. Muito amor para todos. Tara x

INTERVIEW
Original Version
Brief Introduction

So far, I only read RSVP and I wrote a review about it on the blog. As long as I see the Portuguese synopsis, I like it very much and I compared it to a “cocktail” of genres because the story has mystery, a little bit of comedy with funny dialogues, romance (and others, of course, which I don’t want to tell because I want to be a surprise for the future readers. These aspects are the most important).

Can you make a balance about this novel (about the inspiration for writing it, what you like the most in writing it, how it was published…)?

RSVP was inspired by the arrival of a character, Coppelia, in my head who simply refused to go away until I had written about her. The rest of the characters followed from there and, to an extent, wrote their own story. I am a somewhat organic writer. I never plot a novel in its entirety. Often I will start with simply an idea or, as in this instance, a character, and the novel seems to build from there. I do not like tightly orchestrated plot lines. I find it far more interesting to let the characters off the leash and see where they lead me. In this case, I found myself heading off in all sorts of weirdly wonderful directions. It’s a strategy that works for me and, hopefully, for my readers.

When I saw the Portuguese title (“Summer Solstice” in literal translation), I was curious about the original title and I researched on the internet. I wrote in my review what I thought about it. For those do not know your stories, how do you choose the title of your books, in this one particularly?

Sometimes a book may come about because of a title that’s been lurking in my head, often for years. RSVP, of course, is French – repondez s’il vous plait – meaning ‘reply please’ to a formal invitation of some type. As an invitation to an engagement party is the catalyst for the events that unfold in RSVP, it seemed a fitting title. My subsequent book, Blue-Eyed Girl, has just been published and, again, the title is key to the book and the plot line that unfolds. Or, perhaps, I should say plot lines plural, as there are always a number of subplots in my books.

RVSP was only published in June, 2012 in Portugal but it had already been released in 2010. Have you received many feedbacks from your readers about your books (this one, particularly)?

Yes, indeed, and the vast majority of feedback has been incredibly positive, which is always nice to hear. It has also been widely featured and reviewed in the media. I think, at first, people thought it might be just another ‘chick-lit’ book, but were hugely – and for the most part – pleasantly surprised to find that it is not all hearts and roses, but packs a real punch. A couple of characters in particular, Sapphire and Indigo, seemed to ignite debate – a case of either loving them or hating them. As a writer, I far prefer my books to make an impact of some sort, rather than have them bland and totally forgettable. I believe RSVP is one of those books people will continue to remember for one reason or another.

You live in England but you spent your childhood in the Middle East. This story happens in many places all over the world (I don’t want to reveal too much, but one of these is Thailand). How do you choose the places of your stories?

There is a big wide world out there, a smorgasbord of cultures and customs. What a shame to confine oneself to just one small corner. In the case of Thailand and the character of Priti, it was culturally correct and gave me the opportunity to play with the description of that beautiful country and, hopefully, to arouse my reader’s curiosity and, even, spur them into visiting it for themselves. My newly published book, Blue-Eyed Girl, is set mainly in Ireland, but also features, Australia, Dubai and Argentina.

For all I read, only RVSP was published in Portugal and I have read many positive reviews about it (including mine). Can you tell us about what are you working on now?

Prior to RSVP, I had three other novels published, Seducing Adam, Poodles At Dawn and Sunshine & Shadows. These were published by an Irish publishers who held onto all the rights and did not publish them abroad. Those rights, I’m very happy to say, have now reverted to me and I will be publishing all of these on Kindle over the coming year. Perhaps, I will have them translated into Portuguese too! I also hope Blue-Eyed Girl will be published in Portugal next year. It will very much depend on what sales of RSVP are like. So, come on Portugal, get behind RSVP and let the publishers know you would also like them to offer for Blue-Eyed Girl!

About your writing routine, do you have one? Can you tell us about it?

I would love to say I get up at 7.00 am. and write until 6.00 pm, but that is simply not the case. Some days I could, indeed, write for that period of time and even longer. I have been known to get up in the small hours of the morning and write when the ‘muse’ is with me. On other occasions, I may write just for a short while or, sometimes, not at all. I don’t believe it’s productive to sit in front of a blank screen and hope the words will come. Better then, to get up and go for a walk or do something else. In my experience that takes the pressure off, which is more likely to lead to a relaxed mind and inspiration follows from there.

Tara, you are a mother, a wife and a writer. How can you come through all of these aspects of your life and even though have time to daily obligations?

All I can tell you is that writers write! It’s as simple as that. Just as I need to breathe and eat, I need also to write. It is, I say, my writer’s gene. I wrote my very first book whilst working full-time, raising two children, one with a severe medical condition, (Haemophilia), and coping with an alcoholic husband. One of my pet hatreds is when people come up to me and say, ‘I’d write a book too, if only I had the time’. A writer finds the time, whatever the pressures. It doesn’t make us saints. It simply makes us writers.

From what I have read, your husband seems to be "the love of your life", so he is very important to you. What role has your husband in your life as a writer?

David is my second husband – I joke that I bought him on the internet for around £5.00 and he was the best bargain I ever made. This is how it happened. I was moving from London to another part of the UK, a small seaside town called Ramsgate. All my friends were very concerned because I knew nobody there and they also knew, after my first marriage, I had no intention of ever getting involved with a man again!!! However, they nagged and nagged me and, eventually, to ‘shut them up’, I agreed to let them put me on the internet. David was one of the men who responded and the only one I agreed to meet. The rest is history. So, I bought my soul mate for £5.00. Good, eh?!
By the way, he knew as much about Jane Austen as me, which is when I think I really fell in love with him. He is my greatest supporter, always kind, never judgmental, always there! Yes, unashamedly, I tell the world I love him with all my heart. We have been together for seven years now and it just gets better and better.

You once said that you have always wanted to visit Portugal. What would you like to visit in this country?

I can’t tell you why exactly I have always wanted to visit Portugal – it is more an instinctive thing. The Portuguese, remind me of my own people, the Irish, in that they are very welcoming and hospitable and have a great culture and history. Truly, I would love to explore the whole country from side to side and end to end. I know my husband, who is something of a military historian, would dearly love to visit the battlefields of World War II. We are seriously considering renting somewhere in Portugal next year for several months, where I can finish my next book and find inspiration for another.

Would you like to leave a special message to your Portuguese readers and aspiring writers?

Yes. I cannot tell you all how pleased I am that my book has been translated into Portuguese. The cover is, by far, my favourite version. I really hope you enjoy it and that Blue-Eyed Girl is also published in your country.
To any aspiring writers, I would say, dream big. It’s very easy to lose heart and become discouraged if your work is rejected, but remember, there are hundreds of new books by new writers being published every year and, assuming you have done your very best, yours could be one of them. Much love to you all. Tara x

Comments

Post a Comment

Deixa aqui as tuas epifanias ^^
A gerência agradece :)

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?