Skip to main content

[Entrevistas] - Carla Ribeiro



Hoje, deixo-vos aqui a Entrevista nacional com Carla Ribeiro, que fiz para o blogue Os Livros Nossos. Obrigada, Carla, pela disponibilidade e prontidão :P
Breve Biografia
Carla Ribeiro nasceu a 20 de Julho de 1986 e é natural de S. Martinho de Mouros, Portugal. É licenciada em Medicina Veterinária e leitora compulsiva, com uma predilecção de sempre pela literatura fantástica. Colabora ocasionalmente em algumas antologias e outras publicações literárias, e com alguns livros publicados em géneros tão diferentes como a poesia e o romance fantástico, sendo os mais recentes Pela Sombra Morrerão (Antagonista Editora) e Senhores da Noite (Fronteira do Caos).
Entrevista 
É um facto que venceste num género difícil de agradar. É, de igual forma, factual que não se consegue agradar a todos. Porquê o Fantástico como registo de eleição?
O fantástico é um dos géneros literários que mais me cativa. Apesar de gostar de escrever em géneros diferentes, muitas das histórias que me surgem no pensamento têm alguma relação com o fantástico. Gosto das possibilidades que me apresenta, responde ao tipo de situações que me interessa desenvolver… mas não é uma escolha feita inteiramente com o lado racional. Quando as ideias surgem, vêm, normalmente, como um momento e um lugar marcantes, de alguma forma. E, partindo desse ponto em que a história começa a crescer, é, muitas vezes, o fantástico que melhor se adapta a essa história que quer ser contada e me falou ao coração.
Em relação à construção das tuas histórias, referiste que, aos 14 anos, começaste a descobrir que “talvez pudesse levar essas ideias um pouco mais a sério”. Como é que isso aconteceu?
Houve uma fase na minha vida em que se tornou imperativo encontrar uma forma de expressão para o que tinha por dentro. Precisava de um refúgio e a verdade é que nunca fui de natureza extrovertida. Foi o início de um ponto de viragem, a altura em que escrever deixou de ser uma experiência muito ocasional e passou a ser em parte vício, em parte necessidade. A fase seguinte surgiu quando comecei a mostrar o resultado dessas longas alturas de escrita. Primeiro a amigos, depois a professores, a seguir a participação em alguns concursos literários… Foi a altura em que comecei a pensar que poderia haver por aí quem gostasse de me ler.
Colaboras no Correio do Fantástico, um espaço dedicado maioritariamente ao género que lhe deu o nome. Podes falar-nos um pouco sobre ele?
Enquanto espaço de divulgação de um género que está entre os meus absolutos favoritos, era inevitável que o Correio do Fantástico me chamasse a atenção. É um género tão vasto e com tantas possibilidades, que a ideia que, por vezes, se passa de que se resume a literatura infanto-juvenil ou essencialmente escapista me parece imensamente redutora. Daí que encontre muito valor neste tipo de espaços e iniciativas de divulgação. O meu contacto com o Correio do Fantástico foi inicialmente enquanto leitora, e aquilo de que mais gostei foi o entusiasmo e a vontade de avançar com ideias e projectos. Depois surgiu o convite para participar no espaço e tive todo o gosto em aceitar - ainda que, por razões de tempo ou de falta de ideias da minha parte, a minha participação tenha vindo a ser bastante mais… discreta… do que deveria. 
Podes dizer-nos como surgiu a possibilidade de contribuir para esse projecto e de que forma influenciou o teu caminho até ao presente?
Já acompanhava o projecto há algum tempo e já tinha enviado alguns textos meus para algumas das iniciativas do Correio do Fantástico. A partir daí, o convite acabou por surgir. Quanto à forma como me influenciou, acho que há duas situações que se destacam. A primeira, desde logo, foi a oportunidade de publicar alguns textos meus em projectos que surgiram ali. A outra foi o contacto com outros leitores e interessados no género que dificilmente teria conhecido de outra forma.
  
O que originou a escrita de “Senhores da Noite”? 
Tal como acontece com muitas das minhas histórias, esta começou com uma ideia e um momento. De onde surgiu exactamente é difícil dizer, mas tudo começou quando um dos acontecimentos iniciais do livro – um dos do passado – me veio a cabeça. E, quando a história quer, a história tem de ser escrita, ou então não me sai da cabeça. A partir desse episódio, comecei a considerar possibilidades e formas de dar continuidade ao enredo – e a história foi surgindo. 
Ainda sobre esta obra, como foi criar personagens com particularidades tão “negras” e mesmo assim fazer o leitor sentir empatia por elas?
Tanto no que escrevo como nos livros que leio, tenho uma tendência para as personagens de natureza nobre (e isto aplica-se mais aos valores que à linhagem). São as figuras com que mais me identifico e aquelas em que me é mais fácil compreender as motivações. Quando estava a escrever este livro, dei por mim a perguntar-me como seria inverter essa tendência e criar uma história em que não há heróis, mas em que os vilões são mais que simplesmente vilões. Em que a crueldade existe e em abundância, mas em que há razões – mesmo que válidas apenas para as personagens – capazes de atenuar o impacto dos actos.
Já recebeste Prémios Literários diversificados. Queres falar-nos um pouco sobre eles?
A participação em concursos literários foi um dos primeiros passos no meu percurso pela escrita – ou pela escrita para lá da gaveta. Mesmo prémios mais pequenos e de âmbito local foram – e continuam a ser – um motivador, porque me dizem que há alguém que reconhece alguma qualidade naquilo que escrevo. Já não participo em tantos concursos como em tempos, mas ainda os vejo como um impulso e um desafio. E isso dá-me algo com que trabalhar, mesmo quando as inseguranças falam mais alto.
Os teus textos são de géneros diversificados. Ao escrever, consegues “desligar-te” de um género para outro ou um influencia o outro? Como consegues abstrair-te ao focar-te num apenas? 
Normalmente, não escrevo a pensar no género a que pertence aquilo em que estou a trabalhar. Tenho a ideia e aquilo que quero fazer dela – e a história flui de acordo com isso. Quando estou concentrada numa história – e tenho sempre mais que uma em curso, mas consigo centrar-me naquela que quero escrever, na altura – são as minhas personagens e o que lhes está a acontecer o que pesa. Tenho géneros preferidos e, por isso, a tendência é para que muitas dessas histórias se enquadrem, de alguma forma, nalgum deles. Mas não é propriamente uma escolha definida de antemão. Quanto à poesia, é um processo tão diferente que dificilmente os outros projectos poderiam interferir.
O que é mais gratificante, para ti, na arte da escrita e ao publicares o que escreves?
Tenho uma relação muito pessoal com as minhas personagens e com as histórias que elas vivem. Quando estou a escrever, é como se a vida deles fosse a minha e eu pudesse viver e sentir com eles cada um dos momentos e emoções que lhes definem o caminho. É um elo quase mágico e algo que, parece-me, desperta o melhor de mim. É o que faz com que, apesar de todas as dificuldades no caminho, eu saiba que nunca poderia desistir… mesmo apesar dos momentos em que parece tentador fazê-lo.
Quanto à publicação, o objectivo nunca foi muito complexo. Queria que essas histórias que são tão especiais para mim fossem lidas e apreciadas. O mais gratificante, aí, é precisamente quando isso acontece. Quando alguém me diz que gostou da história, que simpatizou com uma personagem, que achou um certo momento realmente especial… são pequenas coisas, talvez, mas dizem-me que ainda vale a pena.
Onde encontras inspiração para escrever os teus textos?
Um pouco por toda a parte e nos momentos mais improváveis. Um momento, uma melodia, os mais estranhos dos sonhos e os pesadelos mais rebuscados… praticamente tudo me serve para fazer surgir uma ideia.
Disseste uma vez que a forma de escrever e a altura em que o fazes “variam bastante consoante o estado de espírito”. Já te deparaste com o chamado “bloqueio de escritor”? Como lidas com ele?
Oh, sim… Por todas as razões e mais algumas. Como lido com ele? Confesso que não muito bem. Seja porque a história atingiu um impasse ou por razões que me abalam a motivação, quando os dias se tornam semanas e, mesmo assim, a escrita não avança, a frustração instala-se.  Tenho algumas estratégias para ultrapassar o bloqueio: reler o trabalho que já está feito desperta, por vezes, a ideia que faltava para quebrar o impasse. Ou posso fazer uma pausa no projecto em mãos e trabalhar um pouco num dos outros. Às vezes, resulta, outras vezes não. Nessas alturas, resta-me esperar que os motivos para o bloqueio percam influência.
Para terminar, queres deixar uma mensagem para os nossos leitores e aspirantes a escritores?
Há, nos livros, uma magia especial, uma diversidade tão grande que permite a cada um de nós encontrar as palavras e as histórias que nos falam ao coração. Por isso, a minha mensagem é, simplesmente, esta: leiam, sempre. E, se têm a vontade de escrever e uma história para contar, então vale sempre a pena pôr mãos à obra. Não há caminhos fáceis – ou, se os há, este não é certamente um deles – mas o lado bom do percurso é amplamente compensador.
*

A autora tem um blogue: As Leituras do Corvo, podem visitar aqui.  
Quanto ao blogue do Correio do Fantástico, para os amantes do género (e não só) que ainda não conhecem, fica aqui.

Comments

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?