Skip to main content

[Opiniões] - "Rendida", de Sylvia Day


Sinopse e primeiro capítulo, aqui


Opinião

Acabei há duas horas de ler este livro e nem sei bem por onde começar… para ser sincera, ainda sinto o meu coração a palpitar. O facto é que – e vou repetir o que muitos leitores/bloggers já disseram – fiquei absolutamente “rendida”. Por isso, não posso criticar Eva, a personagem principal, por ter ficado no mesmo impasse… se bem que de forma diferente. Muito diferente! Porque terá sido? Ahah :D

Para ver se desbloqueio, vou começar como sempre começo: pela capa. Não sou adepta de saltos agulha, mas esse pormenor chama por nós, numa capa, cujo conteúdo sabemos de antemão, ser de teor erótico. E os tons dourado e preto conferiram um toque luxuriante e sofisticado que, mais uma vez, fez jus ao título, Rendida. Eu interpretei “Sou boa, sou rica e fiquei rendida a teus pés”.  Era esse o objectivo, certo? Foi alcançado! Um aspecto negativo é que o salto é maior do que o sapato! Foi propositado ou um erro de edição? Fica a dúvida. Um aspecto positivo que vou ter de referir em relação à editora é o facto de não alterarem as capas dos livros que publicam, ou pelo menos, aqueles que tenho visto e estado atenta. Não sei como isso se processa, mas só sei que têm feito óptimas escolhas nesse sentido! É óbvio que já vi capas melhores, mas esta é simples, discreta e, ao mesmo tempo, provocadora.  

 Quanto às semelhanças com a trilogia Cinquenta Sombras que dizem ter por aí… estão a gozar comigo? Da forma como falaram, criei uma imagem terrível! E, desta vez, ao contrário do Grey, comprei o livro com altas e baixas expectativas, ao mesmo tempo. E não é que adorei? Mas as comparações são inevitáveis...

Pronto, eu dou o braço a torcer. Ambos os personagens têm passados obscuros. Ambos têm uma relação mais direccionada para o sexo. Até as respectivas famílias têm certas parecenças. Tudo bem, admito isso. Mas… that's all! Eu não vi mais nenhuma semelhança.Ou, se calhar, fiquei tapadinha e não consegui ver mais. A sério, esqueçam a “deusa interior”, do “sítio lá em baixo” e outras expressões que vimos no Grey. Em Rendida, Eva diz, com todas as letras, clitóris, etc, etc, etc. Pronto, é descritivo! E explícito. Sooo what? Já para não falar nos orgasmos que despedaçavam a pobre da Anastasia em pedacinhos… Nanananana… Esqueçam isso tudo. E, principalmente, esqueçam a má escrita que vemos em James. Em Rendida, não encontramos nada disso. Encontramos uma linguagem madura, fluída, mais diversificada e interessante.

Quanto à relação de Eva e Gideon… não tem muito a ver com a de Anastasia e Christian. Não há cá virgindade para ser tomada e reclamada, BDSM imposto, contratos ridículos… Nada disso. É sexo, puro e duro. As personagens são mais desenvolvidas e mais maduras, se bem que em certa medida e já passo a explicar este ponto.  Gideon é definitivamente uma força da natureza!

Apesar de tudo, tenho também alguns pontos negativos a referir (atenção, pode conter spoilers):

Eva passa a vida a fugir. Eu só pensava “feitiozinho da m*rda, pá! Há tão boas raparigas por aí e o gajo anda atrás de uma tipa que nem lhe liga, xiça!”. Pois… é isso mesmo, os gajos bons andam sempre atrás das gajas que lhe dão para trás. Meninas, tomem nota!

Existem muitas cenas de sexo. Muitas mesmo. Achei *too much for my taste*, mas pronto… Ao menos, as cenas são descritas em menos páginas. No do Grey, eram 3/4/5 páginas, por vezes. Neste, não. Há muitas, são descritivas, mas não chegam nem a metade das páginas que as cenas do Grey ocupam.

3º Tem  menos história que o Grey... é mais sexo, na minha opinião...

Pronto, acho que acabei as críticas negativas. Não me recordo de mais nenhuma. Honestly.

Desenganem-se se pensam que é algo do género: “o gajo é bom, a gaja é boa, ambos gostam de sexo e pimbas”. Tudo bem, não nego que o possa parecer... mas eu consegui ver mais para além do óbvio e gostaria de que os restantes leitores também o vissem. É factual que não vemos todos da mesma forma, mas lembrem-se da máxima "nem tudo é o que parece". Tenho noção de que a minha alma de psicóloga se compadece e apieda com o passado obscuro das personagens e consigo entender as motivações que os levaram a enveredar pelo caminho que os trouxe até nós. A empatia é mais forte do que eu. Não consigo evitar. Todavia, não se trata só de um romance erótico. Consigo separar as vertentes e digo que se trata de tentar vencer as más circunstâncias, encontrar uma solução para sobreviver até conseguir a “cura”, a “terapia” ideal, que neste caso, é a "tal pessoa". 

Ri e chorei com as explosões de humor das personagens. Comovi-me com certas partes. Não vou dizer quais, senão começo a spoilar. Às vezes, fiquei irritada porque não entendia a razão para as personagens tomarem as atitudes que tomaram... Apetecia-me bater-lhes - e aqui entra a questão duvidosa da maturidade.

Se aconselho? Sim, mas chamo a atenção para tentarem distanciar a parte erótica da romântica. É um romance erótico, um romance adulto! O que esperam? Florzinhas, peluches e tudo muito cor-de-rosa? Esqueçam… Neste tipo de romances, vão sempre encontrar cenas picantes, em maior ou menor quantidade. A diferença está na percepção com que ficamos do geral e da forma como o interpretamos. Bem sei que dizem que este volume não tem muito romance, nem sequer muita história, mas eu consegui vê-los e senti-los – chamem-me parva ou romântica incurável…. A minha mente vagueia e imagina a vida deles, por aí, como se fossem pessoas reais, de carne e osso. E a verdade é que Gideon é muito mais flexível do que o Grey. Partiu-me o coração ler certas partes... Ai, estou a ficar mesmo lamechas!

Todo o livro ficou intrincado, mais uma vez, num suspense sofrido que só nos será revelado nos volumes seguintes. Como tal, para minha frustração, o final deixou-me sequiosa por mais. Gostei e só não gosto mais de Rendida do que do Grey, devido a este ter mais história do que o primeiro. É certo que só li o primeiro, mas estou a referir-me aos primeiros volumes de ambas as trilogias. São diferentes nesse caso.  

Comments

  1. Como sempre.. uma opinião que me arranca gargalhadas!
    eu ja' li o segundo, e se achaste que este tinha muito sexo, então no segundo ate' vais ficar com os olhinhos em bico x)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Juro que não faço de propósito, estes livros despertam em mim a minha boa disposição!

      Ohhh a capa do segundo é tão linda, queria ler, mas em inglês demoro muito (ainda)! Achei que tinha muito sexo e pouca história comparativamente ao Grey, que tinha muito sexo e 'mais' história! não queria nada comparar, mas é inevitável!
      obrigada, Juanitah, pelo comentário!

      Delete
  2. o segundo tem muitaaaa estória e muitooo sexo x)

    ReplyDelete
  3. Tu és a lufada de ar fresco que os leitores precisavam nas opiniões num blogue, parabéns consegues fazer-me rir até não poder mais e isso é muito bom, obrigada amiga, continua a seres tu :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. ohh *.* obrigada eu, Odete, pelo elogio! É mesmo bom saber isso! beijinho*

      Delete
  4. Gostei muito da opinião e concordo em tudo o que disseste :) beijinhos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada querida!
      já tinha dito: é bom saber que não sou a única :D
      bjnho*

      Delete
  5. Devo dizer que estes da Sylvya Day me despertaram mais interesse para ler do que os da James (até porque da James a escrita básica deixou-me logo de fora da carroça). Vou dar uma vista de olhos pelo primeiro capitulo e ver se me interessa.

    De resto, da capa já disse ontem que isto das capas todas minimalistas com uma peça de roupa/acessório metafórico me parece tudo muito batido e usado. xD

    ReplyDelete
  6. Querida...seu comentario após ler o livro expressa exatamente o que senti ao terminar a trilogia de Os cinquenta tons de cinza...Estou voraz a procura de outros que seguem a linha.
    Para que ama mitologia, o romantismo absorve meus poros...não tem jeito....
    Vou partir para uma noca experiência "Rendida".....
    nos falamos...
    bjs.

    ReplyDelete

Post a Comment

Deixa aqui as tuas epifanias ^^
A gerência agradece :)

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?