Skip to main content

"Na Sombra das Palavras", Antologia da Editorial Divergência

22461082

“Ainda não sei que cotação dar. Dois factores pesam nesta indecisão: 1) ainda sou novata nas leituras e não me recordo de alguma vez ter lido um thriller. Eu e os géneros, os géneros e eu... Se li, não foi suficiente para ficar marcado e 2) não sou apreciadora de contos, raramente os leio e quando leio é raro gostar verdadeiramente. Talvez não perceba a dinâmica que os envolve.”
**
Opinião

Não vou fazer uma análise exaustiva, porque - pelo meu nível básico de conhecimentos, a minha cabeça triturada pela Psicologia Diferencial e pelas minhas dores musculares - não me apetece escrever (já disse que tenho dores?!). Continuando… Dividi este texto de opinião em duas fases: em relação à primeira edição da Editorial Divergência e em relação aos textos.

À Editora
1ª crítica: Já tive oportunidade de falar com dois elementos que compõem a equipa e repito aqui: que capa é aquela? Não gostei do design e não percebi o que tinha a ver com o conteúdo. Não gostei das letras todas estrambólicas e dos nomes dos autores em… ‘pedaços de papel’ (?) que mais pareciam mastigados e colados na capa. Desculpem a rudeza, mas foi o que me pareceu.
2ª crítica: Os textos são-nos apresentados em duas colunas, o que me dificultou a concentração – que, como já disse, não estava nos seus dias. Pelo tamanho da antologia (34 páginas, A5), esta decisão não se justifica. 
3ª crítica: Ainda sobre o tamanho, não se justifica a integração de publicidade à própria editora no fim de cada conto. Quebra a concentração e é supérfluo, palha, palheca. Alojar os anúncios no fim teria sido uma escolha mais acertada, o leitor não ficaria tão incomodado e não daria o ar de ‘anúncio publicitário’ – e, sim, de divulgação do concurso para uma nova antologia a ser publicada em Setembro (tema: fantasia urbana).

Como não pode ser tudo mau, gostei do facto de ser uma editora ecológica que optou pela impressão em papel reciclado!

Passando aos autores...
O primeiro é de Fábio Ventura, autor de Orbias, intitulado O Livreiro. Foi um conto difícil de entrar e só percebi a ideia mesmo no fim. A escrita não me cativou, ainda para mais devido ao espaço temporal no qual o conto se desenrolou. Devido às limitações de tamanho, não podia ultrapassar as 2,000 palavras e/ou as duas páginas word – creio eu – o que de certa forma limita a estória em si. No entanto, gostei do final e da ideia geral. 3*
O segundo conto é da autoria de João Ventura, A Lista de Deus. Achei que o autor se perdeu em pormenores que não interessavam. Por exemplo, uma parte do conto é a descrever a aterragem de avião no aeroporto da Portela – o que raio me interessa a mim se ele aterra em Lisboa ou no Cú de Judas? Ignorando o carácter pejorativo da expressão, não é que existe mesmo? Valha-se-me a ignorância que me levou a ir ver à net. Continuando, não me interessou, não me conquistou e nem sequer interessa para o objectivo do conto. Estarei errada? É que foram cerca de 200/300 palavras que o autor perdeu ali… palavras que o autor poderia ter investido a tentar atrair o leitor, a tentar desenvolver o conto. Achei o final abrupto, ainda que não consiga imaginar outro, e acho que o conto todo está demasiado rápido… 2*
O terceiro conto, de David Camarinha, chama-se O Panóptico. Raios parta que tive de ir ver ao dicionário… suponho que estamos sempre a aprender. Este conto foi suportável – por favor, não me batam – devido aos diálogos. Perdi o fio à meada N vezes. De notar que li esta antologia à hora de jantar, enquanto bebia o café e a cabeça não dava uma pra caixa. Admito que foi culpa minha e precisava de o ler novamente (eu disse que precisava de tempo para cotar e reflectir, mas a verdade é que tenho medo de me esquecer do que senti ao ler). Por enquanto, fica nas 2*.
Labirinto de Papel é o quarto, da autoria de Ângelo Teodoro. Um que gostei verdadeiramente e que, independentemente da minha atenção, consegui perceber do princípio ao fim. Vislumbrei um niquinho de fantástico que, infelizmente, não ficou mais marcado e desenvolvido. Gostei do final, dado que dá o poder ao leitor de imaginar - uhhh! – não que tenha de ser um génio. É um conto que joga com o psicológico – e é interessante porque o autor tirou psicologia – e que nos troca um pouco as voltas. 3,5*
Por fim, Tábula Rasa encerra esta antologia e é da autoria de Mário Seabra. Um conto cujas peças se encaixam quando chegamos ao fim. Foi bastante interessante a sua leitura. De todos, foi o que me pareceu mais à frentex, i.e. mais avançado, numa época mais adiantada… Talvez esteja errada, mas como o objectivo do conto não era explicar o mundo em que a estória se insere e como fala de criação de novas memórias, etc, etc, esta foi a visão com que fiquei. Se disser mais, corro o risco de spoilar. Foi o conto que gostei mais. 4*
Fazendo as contas: 3 estrelas.


No geral e para primeira publicação, não foi uma má antologia. Ressalvo que não sou apreciadora de contos nem leitora assídua de thrillers. Posto isto, desejo muito sucesso aos autores – os que publicaram pela primeira vez e os que já são rodados nisto. À editora, resta-me desejar sucesso para as futuras publicações. Mais e melhor. 

Comments

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?