Skip to main content

"Se eu ficar" | Gayle Forman

Se Eu Ficar (If I Stay #1)

Título: Se eu ficar
Autor: Gayle Forman
Editora: Presença
Publicação: Setembro | 2014
Título/Publicação Original: If I Stay | 2009
Cotação


Este livro fui eu que escolhi lê-lo e que pedi emprestado à minha amiga [obrigada V*]. As boas opiniões e o filme iminente – que entretanto já saiu – estiveram na base desta escolha.

Com esta opinião não quero transmitir a ideia de que a minha é que conta e a dos outros não. Tenho notado nos últimos meses que não me deixo impressionar facilmente e que sou bastante moderada a cotar um livro – tanto que até chega a irritar, mas fazer o quê? Não posso dar mais quando não sinto mais com a leitura.

A premissa de If I Stay não é nova e não é inovadora mas também não chega ao estatuto de cliché e que o renega para o nível mais baixo. Não sei se a temática resulta melhor em livro ou em filme, porque do género [i.e. experiências fora do corpo] só li este e de filmes só vi dois ou três de que me lembro – Just like Heaven e Ghost, por exemplo – por isso não tenho termo de comparação com alguma certeza. Não que seja preciso comparar, mas a qualidade, alta ou baixa, de uma história delineia-se não só pelas vivências pessoais dos leitores como pelas experiências literárias dos mesmos.  

Dito isto, é melhor talvez ir por pontos:

Escrita
Não sei se foi da tradução se do original, mas é tão simples, tão simples que chegou a aborrecer-me. Não preciso de um Tolkien ou de um GRRM – que por sinal são de géneros diferentes e eu nem sequer os li ainda – mas mesmo para um YA, mesmo para um drama per si, o estilo da autora careceu, a meu ver, de emoção. Não digo que precisasse de estar carregado de melodramas de adolescentes, porque isso é o oposto do que aqui falo, digo sim que a escrita podia ter sido mais cuidada no sentido de envolver mais o leitor e de o fazer sentir empatia. Talvez este problema tenha ocorrido só comigo isoladamente – não me parece, mas tenho de o dizer à mesma – e eu esteja a descascar demasiado. Apenas… não me levou à lágrima, senti-me como espectadora e não parte integrante do livro e isso para mim é fundamental. As três últimas páginas conseguiram arrancar alguma emoção de mim e fazer-me pensar “yeah, estive à procura o livro todo”, pena-pena foi a autora só ter apanhado o jeito naquelas últimas páginas.

Personagens
Tive alguma dificuldade em acompanhar a linha de pensamento da autora – que falarei no plot – e por conseguinte as personagens da trama. Foram bastantes, e bem mostradas através de memórias, de flashbacks de Mia enquanto ela estava em coma. Temos a família: os pais, o irmão, os avós; os amigos dos pais, os amigos dela, o namorado e a banda. Foram bem mostradas, mas pouco desenvolvidas. Talvez por enfatizar o passado e não tanto o presente ou futuro, acabamos por ver a história de trás para a frente, o que fez com que sentisse a falta de algo mais.

Plot
Portanto, pela sinopse vemos que Mia e a família têm um acidente de carro e que ela fica em coma. Durante esse estado revive memórias sobre as pessoas que mais ama. Portanto, não teve uma estrutura linear ou uma organização temporal consistente. Tal facto não fez com que me confundisse as ideias, mas não percebi a linha de pensamentos. Porquê focar-se nas memórias de forma aleatória? Porque não dividir o livro em duas partes, uma durante o coma e outra depois do coma e de ela ter feito a escolha dela? Eu sei que estou a extrapolar para o livro que gostaria de ter lido e não para o que realmente li, mas como leitora tenho direito a sonhar e esta história fez-me imaginar possibilidades que não vi serem cumpridas. Talvez eu tivesse demasiadas expectativas e elas tenham saído ao lado… talvez eu esperasse mais, não sei. 
Desgostei do facto de não ter capítulos, ainda que esta seja a menor das minhas críticas, porque até entendi a necessidade de Forman de ter organizado a história da forma como organizou. Contudo, como referi há pouco, fez-me sentir a falta de algo. Vi as personagens crescer – as memórias repassam ano e meio da vida de Mia – mas não tive tempo de constituir qualquer relação com elas nem empatia ou emoção como normalmente acontece. Como disse, talvez seja problema meu. Ou talvez a fórmula da autora tenha sido fraca nesse sentido. Eu sei, são muitos "talvez".

Temáticas
A perseguição dos sonhos e o medo que os acompanham, a família, o amor e a amizade são temas gerais inerentes a esta história. O poder das escolhas, a força de viver, a incerteza da solidão e do desconhecido, do acordar para a vida tornaram-se temas transcendentes e mais importantes que tudo o resto. No fundo, com esta ideia a autora quis que o leitor reflectisse sobre a vida, nas inúmeras possibilidades, no que temos ou queremos ter, no que num segundo podemos deixar de ter e de sentir.
Falta-me referir a música. No meio disto tudo, o que mais gostei foi isto. Continuo a achar que ficou mal desenvolvido, podia ter feito tanto com este tema... uma das cenas que mais gostei, porém, foi quando Mia e Adam se entregaram ao amor e criaram um paralelismo com a música e o amor. Muitos pensam que música = amor. Sim, talvez seja, mas a autora conseguiu mostrar isso, portanto acho que foi uma vitória no que me diz respeito. Com isto, conseguiu alcançar-me. Com isto. 



Tive pena de não conseguir sentir com esta leitura. Tinha expectativas, sim, acho que é impossível não as ter. Queria ter gostado mais, queria ter sentido mais, queria ter-me entrosado mais na história como tantos outros leitores. Infelizmente, a fórmula da autora não foi a certa para mim enquanto leitora. Resta-me ver o filme e esperar para ler o segundo livro e ver se se adequa a mim. 

Comments

  1. Olá Ivonne :)

    Contrariamente ao que possas pensar, gostei muito de ler a tua opinião :), apesar de na opinião que escrevi dizer maravilhas do livro. E com isto não estou a dizer que menti na minha opinião, porque não menti :). Com isto quero dizer que entendo perfeitamente a tua opinião. No que diz respeito à escrita, senti o mesmo que tu só que atribui isso ao facto de ser um livro dirigido ao público juvenil. Mas concordo, que um maior enriquecimento da escrita não fazia nada mal :). Quanto ao resto, não, não é um livro brilhante. No entanto chegou a mim :) e pronto gostei muito :). Mas entendo perfeitamente que não tenhas gostado tanto :).

    Boas viagens,
    Rosana
    http://bloguinhasparadise.blogspot.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá Rosana!
      Eu realmente gostaria de ter gostado mais. Isto faz algum sentido? Enfim :( tive pena.
      Então tenta adquirir o segundo, força :) parece-me estar muito melhor a nível de escrita e a nível de discurso interno [o segundo é do POV do Adam], o que faz sentido porque as personagens cresceram.
      Boas leituras!

      Delete
    2. Claro que faz :). Às vezes isso também me acontece, não acho estranho :). Também não sei se devo referir que o li em paralelo com o "Prometo Falhar" e pode de certa forma ter-me influenciado :), mas apesar de tudo gostei :).
      Estou a ponderar dar a mim mesmo uma prendinha de natal :):

      Delete
    3. Ahah isso pode ter influenciado, porque julgo que ao lado do PCF, este é um livro maravilhoso ahahah!! Mas não interessa, tu gostaste e isso é que importa, assim que puder, passo pelo blog para ler a tua opinião ^^
      Força :) boas comprinhas!

      Delete
  2. Tinha de vir aqui deixar a minha "humilde" opinião *cof, cof*

    Entendo quando dizes que a escrita precisa de ser mais rica e mais intensa... mas acho que para lançar uma história com esse "peso" emocional é preciso ir com calma e relax :p
    Se podia ter sido mais recheada? Definitivamente! Mas, também percebo a ideia de lançar o primeiro com uma simplicidade maior. Como sabes, adorei o livro (mais um que te subi as expectativas e tu népias).
    Adorei mesmo... a intensidade com eles vivem a música, adorei os saltos temporais que nos permitem ver como as personagens cresceram de fase para fase e como as relações também evoluíram.
    Mas lá está... também percebo o que queres dizer ^_^

    ReplyDelete
    Replies
    1. gostaria de ter gostado mais. Enfim... não há mais nada que eu possa dizer.

      Delete

Post a Comment

Deixa aqui as tuas epifanias ^^
A gerência agradece :)

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?